29 de setembro de 2014

Vinhos laranjas

Oficialmente, as legislações que regulam os tipos de vinho definem os tintos, os brancos e os rosés. Mas a realidade é mais complexa que isso. Uma das exceções é o que vem sido chamado de 'vinhos laranjas'*.

Esta expressão é recente - não tem nem 10 anos - e este vinho está na moda entre os enófilos mais ávidos por novidades; mas na realidade, se trata de um tipo de vinho muito antigo. O termo se refere a vinhos brancos em que o mosto passa por maceração com as cascas das uvas durante meses, e sem as tecnologias atuais: sem controle de temperatura, e sem proteção contra oxidação. Basicamente, um vinho branco como ele era produzido na origem da história vinicultura.

O resultado é um vinho com cor acobreada, entre o laranja e o âmbar, encorpado, rico em componentes fenólicos (vinho branco com taninos!) e com aromas que remetem a oxidação.

Quem busca este tipo de produção busca um conceito natural, com mínimo de manipulação tecnológica. Isso inclui reduzir ao mínimo a adição de substâncias sintéticas (industriais) tanto no vinho, quanto nos vinhedos. Tratam-se, portanto, de vinhas de cultivo orgânico e, muitas vezes, biodinâmico, fermentação com leveduras nativas, mínima filtração, sem correção de acidez, e mínimo de adição de sulfitos.

Créditos da foto: http://world.gravner.it

24 de setembro de 2014

Roccamora Negroamaro 2011


Após vários meses, a Sociedade da Mesa voltou a selecionar um vinho interessante. Ele veio da Puglia, o calcanhar da "Bota", se chama Roccamora Negroamaro 2011, foi produzido pela Schola Sarmenti, e possui Denominação de Origem Controlada Nardò Rosso.

22 de setembro de 2014

Prahova Valley Special Reserve Pinot Noir 2013

A Winelands, em sua incessante busca por vinhos de origens exóticas, trouxe este mês vinhos da Romênia. Entre eles, vários vinhos da Cramele Halewood.

Esta empresa de origem inglesa foi fundada em 1978, e já a partir de 1987 começou a criar laços com a Romênia, importando vinhos deste país para a Inglaterra. Com o fim do governo comunista, ela formou uma parceria com a empresa estatal, se tornando exportadora oficial dos vinhos romenos. Além disso, começou a comprar terras para iniciar produção própria. Hoje, a Cramele Halewood possui 350ha de vinhedos no país, localizados principalmente na Transilvânia (para brancos e espumantes), e na Valáquia (para tintos). [*]

Dobrogea, no extremo leste do país, é a região da foz do rio Danúbio.

17 de setembro de 2014

Paternina Conde de Los Andes Gran Reserva 2004

Eu não cheguei a me empolgar muito com esses sites de vinho que vendem como se fosse "compra coletiva". Sabe, daqueles que só vendem vinhos com ofertas de prazo determinado. Às vezes aparece algum vinho diferente, que fico com vontade de provar, mas o custo do frete anula a proposta. Até que, um dia, apareceu uma oferta que parecia mesmo imperdível: Paternina Conde de Los Andes Gran Reserva 2004.

16 de setembro de 2014

Licor de cassis NÃO vem da cidade de Cassis


Recentemente, li em um blog, que pertence a uma loja virtual de vinhos, um texto dizendo que o licor de Cassis viria da cidade de Cassis. Esta informação está errada! Eles escreveram:
Com exceção da região de Cassis, especializada na fabricação de vinhos brancos (e do delicioso licor que aqui no Brasil comemos com creme de mamão Papaya)...

E se até um profissional de uma loja de vinhos comete esta gafe, imagina a maioria da população, que não tem obrigação de saber. Por isso, me sinto na obrigação de esclarecer.

13 de setembro de 2014

Merlot Stambolovo 2007, um vinho de guarda

Este é mais um vinho de guarda da Bulgária, trazido pela Winelands: Merlot Stambolovo 2007. Ele é produzido pela vinícola Stambolovo, na região homônima, com Denominação de Origem Protegida, devido à reputação por seus vinhos Merlot.

No ano passado, a Winelands havia trazido o Merlot Stambolovo 1991, um vinho do mesmo produtor, mas com 22 anos de idade! Se aquele vinho teve tanta saúde para ser guardado por 22 anos, é seguro que se poderia esperar muito deste. É claro que os tempos são outros: em 1991, o país mal tinha saído do regime comunista, e a vinícola ainda era estatal. Uma diferença já é possível perceber ao ler rótulo: o vinho da época tinha 12% de teor alcoólico, enquanto as novas safras possuem 13%. Mas se aquele de 1991 se mostrava no momento ideal de consumo, esta versão 2007 ainda mostra muita saúde.

12 de setembro de 2014

Nomad Pinot Grigio 2012, de Aurelia Vişinescu

No final de 2012, eu havia recebido, pela Sociedade da Mesa, meu primeiro vinho da Romênia: o Nomad Fetească Neagră.

Este mês, foi a vez de outro clube de vinhos, a Winelands, trazer vinhos deste país que, como vários outros dos Bálcãs, pouco conhecemos, mas que possuem grande tradição vinícola. E entre os que o clube trouxe este mês, o branco é produzido pela mesma empresa, e mesma enóloga. O vinho é o Nomad Pinot Grigio 2013.

6 de setembro de 2014

Salada de arroz vermelho e tomates em três cores

Eu e Thais valorizamos a diversidade de variedades para um mesmo alimento: diferentes variedades de arroz, de feijão, de tomate, de bananas, até de uvas. Apoiamos os argumentos do movimento slow food, que essa diversidade é mais saudável e mais sustentável.

E o almoço de hoje foi inspirado nessa premissa. Thais encontrou no mercado duas variedades de tomates diferentes, que não encontramos com freqüência: uma amarela e uma marrom. Ela aproveitou a oportunidade, e comprou também arroz integral vermelho, para fazer uma salada diferente. A salada levou arroz, cenoura e vagem cozidos, 3 variedades de tomates diferentes, nozes picadas e queijo parmesão ralado.

3 de setembro de 2014

Focaccia e Clos d'Albizzi

Esta noite a Thais resolveu fazer uma focaccia. Foi buscar a receita do Gennaro Contaldo, que vem a ser ninguém menos que o mentor de Jamie Oliver para cozinha italiana. Segue o link para a receita: http://www.bbc.co.uk/food/recipes/focaccia_with_garlic_and_35777.

A massa, com os grãos de sal moído, folhinhas de alecrim, lascas de alho e azeite não-filtrado, preencheu todo o ar da casa com um aroma fantástico, enquanto assava ao forno. O sabor estava igualmente delicioso, depois de pronto. Comemos junto de cubos de berinjela grelhados, temperados com alho e orégano fresco.