28 de setembro de 2013

Cervejaria Nacional e sua nova cerveja refermentada com mel


Este sábado, conheci a Cervejaria Nacional, fábrica/bar de cervejas especiais, na cidade de São Paulo, que tem pouco mais de 2 anos. A fábrica fica no térreo, e podemos ver os tanques de fermentação através dos vidros, à medida que subimos a escada para o bar que fica no andar de cima.
Eles têm 5 receitas de produção regular, e uma conveniente opção no cardápio de uma tábua com amostras das 5, por R$25,00. Nada melhor para se conhecer de forma mais abrangente a produção da casa. A tábua vem com:

21 de setembro de 2013

Frango ao molho de tamarindo: nada como um Vinho Verde

Almoço com um toque de sudeste asiático: filés de frango servidos com um molho a base de tamarindo, com cogumelos shitake fatiados, pimenta dedo de moça, muito gengibre e salsinha.
O primeiro passo foi o caldo feito com legumes (cenouras e batatas) e um pedaço de frango. Em seguida, Thais bateu o caldo no processador com duas batatas - para dar consistência - e também com o gengibre, a salsinha e as pimentas. Os filés foram previamente temperados com alho e sal, e grelhados. Em seguida, Ela colocou o caldo na panela com os filés de frango, os cogumelos, e a polpa de tamarindo, que veio da feira de Cuiabá - mais artesanal, impossível. O molho ficou cozinhando por alguns minutos com o frango e os cogumelos, para entranhar o sabor. Foi necessário colocar um pouco de açúcar para amenizar a acidez do tamarindo. Foi servido com arroz, brócoli e salada de alface.
O prato ficou intenso, com muita influência do tamarindo; e apesar da acidez, ficou bem picante, talvez mais pelo gengibre do que pela pimenta. Muito sabor, muita cara de sudeste asiático.

14 de setembro de 2013

MIV 2013: Áustria, Itália e um pouquinho de França

(... continuação)

Terminando meu relato da MIV 2013, faltou descrever os vinhos da Áustria; um bom Champagne e um Pinot Noir; e italianos de que mais gostei. Aliás, com respeito aos italianos, provei vários na feira, incluindo vários rótulos da vinícola Beni di Batasiolo. O Barolo que venceu o Top 5 da feira já tinha acabado quando cheguei a eles, mas o restante era de vinhos insípidos, chatos e sem expressão; inclusive o Barolo D.O.C.G. 2009, que eles estavam oferecendo como consolação. E o mesmo achei de alguns outros italianos, de outras importadoras.

MIV 2013 e os vinhos ibéricos


Este sábado ocorreu a 8ª edição da Mostra Internacional de Vinhos, mas a primeira vez que participo. Gostei do caderninho que dão no início, e vem com todos os vinhos, e algumas informações técnicas mais básicas. Facilitou bastante a minha vida. Também gostei da taça que foi dada de brinde no evento: uma taça ISO, decente, no padrão normalmente utilizado em degustações técnicas. Em um evento em São Paulo, deram taças que mais pareciam taça para cerveja de abadia da Bélgica!
Mas falando dos vinhos, minha curiosidade enológica me leva a procurar sempre novidades, uvas e países/regiões diferentes. Portanto era natural que minha primeira parada na feira fosse no Empório Sorio, que traz vinhos da Córsega, e que foram os primeiros que descrevi sobre a feira, em meu texto anterior (clique aqui para ler). Aproveitei a queima de estoque para levar algumas garrafas a preços muito interessantes.
Além deles, haviam vários outros produtores de nicho, como a Vinhos da Áustria, Manzwine, Quinta da Falorca, Cultvinho, e também grandes importadores (destes que trazem vinhos do mundo todo), e também alguns produtores nacionais (mas destes, não tenho nada de bom a falar a respeito, sinceramente). Evitei passar em produtores que já conhecia, dando preferência a novidades, pois nem cuspindo todos os goles seria possível provar tudo. Faltou tempo e espaço (a certa hora da tarde, o salão ficou bem cheio).
Como a ferramenta (Blogger) me impõe um limite de marcadores, tive que quebrar o texto em 2. Por isso, neste texto descrevo os vinhos ibéricos, e no próximo, o restante dos vinhos que para mim foram dignos de nota.

Empório Sorio: produtos da Córsega


Acabo de conhecer este importador de nicho - de um nicho muito raro, diga-se de passagem - e ele já está com os dias contados para fechar as portas. O Empório Sorio vai encerrar suas operações, e aproveitou a MIV Campinas para promover uma queima de estoque. Conforme me disse Thierry Batistini, nativo da ilha e idealizador da importadora, as vendas vão bem, e seus produtos têm boa aceitação, mas eles terão que desocupar o imóvel onde hoje possuem loja e estoque, e não têm capital para investir na mudança. É uma pena.

4 de setembro de 2013

Gamay também é uva nobre

Palestra da Inter Beaujolais para promoção dos vinhos Beaujolais no Brasil


A ABS Campinas, em parceria com a Inter Beaujolais, realizou nesta semana uma degustação dirigida para apresentar as 12 Denominações de Origem da região do Beaujolais. Inter Beaujolais é uma associação dos produtores e comerciantes de vinho, responsável, de uma lado, por regulamentar e fiscalizar a produção da região, e de outro, promover o produto em outros mercados. A apresentação foi realizada pelo senhor Anthony Collet, diretor de marketing da associação.

Além do Beaujolais Nouveau

Esta região é mais famosa pelo Beaujolais Nouveau, um vinho que, acompanhado de uma estratégia de marketing bem sucedida, virou um sucesso de vendas em todo o mundo. Porém trouxe consigo uma má reputação, já que é um vinho simples, que se deteriora rapidamente, e por isso não é bem cotado pelos principais críticos de vinho.

Uva Gamay *
O foco da Inter Beaujolais é mostrar que a região não tem apenas Beaujolais Nouveau; que eles também têm vinhos complexos, de guarda; que a Gamay também é uma uva nobre; e que a produção de Beaujolais não é uma produção industrial.

Para defenderem suas afirmações, eles têm fatos concretos. Estudos ampelográficos determinaram que a Gamay é um cruzamento espontâneo (ocorreu sem interferência humana) entre Gouais Blanc e Pinot Noir, assim como a Chardonnay. Ou seja, irmã da Chardonnay, e filha da Pinot Noir, ela tem os genes das uvas nobres. Ela teria, portanto, plena capacidade de desenvolver características complexas, assim como a Pinot Noir. Diz-se que o Beaujolais, com a idade, ele 'pinota', ou seja, adquire características de Pinot.

Além disso, Mr. Collet destaca que a região possui 2500 propriedades, com área média de 9,4ha, a colheita é sempre manual, e as poucas propriedades que usam máquinas, o fazem para tarefas como aragem, remoção de ervas (e provavelmente aplicação de defensivos agrícolas). Ele ainda ressaltou que o uso de carros de boi para arar a terra ainda é muito comum na região.

3 de setembro de 2013

Minha primeira 'rolha' de vidro

A primeira curiosidade que me despertou este vinho era o fato de ser de uma uva que quase não vemos por aqui: a variedade Insolia é típica da Sicília, de onde veio. É uma das uvas típicas do Marsala, vinho de sobremesa clássico da ilha. Mas foi quando a vendedora da loja me disse que a garrafa possuía tampa de vidro, que eu decidi levá-la.
As 'rolhas' de vidro (Vino-Lok) foram criadas em 2003 por uma empresa da Bohemia (República Tcheca), mas ainda são uma novidade. Sendo de vidro, são completamente inertes, evitando-se que transfiram aromas ao vinho. Também não correm o risco de contaminação por T.C.A. (fungo que de vez em quando ataca as rolhas de cortiça). A vedação é garantida por um anel de silicone.