21 de setembro de 2013

Frango ao molho de tamarindo: nada como um Vinho Verde

Almoço com um toque de sudeste asiático: filés de frango servidos com um molho a base de tamarindo, com cogumelos shitake fatiados, pimenta dedo de moça, muito gengibre e salsinha.
O primeiro passo foi o caldo feito com legumes (cenouras e batatas) e um pedaço de frango. Em seguida, Thais bateu o caldo no processador com duas batatas - para dar consistência - e também com o gengibre, a salsinha e as pimentas. Os filés foram previamente temperados com alho e sal, e grelhados. Em seguida, Ela colocou o caldo na panela com os filés de frango, os cogumelos, e a polpa de tamarindo, que veio da feira de Cuiabá - mais artesanal, impossível. O molho ficou cozinhando por alguns minutos com o frango e os cogumelos, para entranhar o sabor. Foi necessário colocar um pouco de açúcar para amenizar a acidez do tamarindo. Foi servido com arroz, brócoli e salada de alface.
O prato ficou intenso, com muita influência do tamarindo; e apesar da acidez, ficou bem picante, talvez mais pelo gengibre do que pela pimenta. Muito sabor, muita cara de sudeste asiático.


Para harmonizar, nada melhor que um Vinho Verde

Com a acidez do tamarindo, e a picância do gengibre e da pimenta, só um tipo de vinho poderia dar conta do recado: Vinho Verde! Foi uma boa oportunidade para provar um que acabou de chegar no mercado: Cativo Vinho Verde 2012. Eu o vi pela primeira vez este mês, e o comprei por R$25,90, no Pão de Açúcar. Ele é produzido pela Lusovini. Está jovem, e é barato. É pra beber já, e para aplacar o calor.
No Brasil, foi classificado como semi-seco, mas isso se deve à limitação da legislação brasileira, que se baseia apenas no teor de açúcar, e não na relação entre ele e a acidez. Pois ao provar o vinho, percebe-se que ele é apropriadamente seco. O teor de açúcar é apenas o suficiente para equilibrar a acidez vibrante. Acidez que é fundamental para se contrapor à acidez do prato.
Além disso, é leve, tem pouco álcool (apenas 10,5%) e possui aquela 'agulha' típica dos vinhos verdes. Tudo isso são características fundamentais para encarar um prato picante como esse. O molho era intenso, muito saboroso, mas era refrescante tomar um gole do vinho na sequência, para tranquilizar as papilas gustativas. Almoço delicioso, e harmonização perfeita!


Quer conhecer mais a respeito de Vinhos Verdes? Leia: Dos Vinhos Verdes: Mas afinal, o que é Vinho Verde?.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.