5 de maio de 2019

Benedito Beef Wellington

Já fazia um tempinho que a Thais falava que queria ir no Benedito. Trata-se um restaurante estilo bistrô, localizado no Cambuí. Finalmente calhou de marcarmos com uns amigos, de almoçar lá num domingo.

Olhando o cardápio no site, quando bati o olho no Beef Wellington, não tive duvida de qual prato iria pedir; e também, qual vinho iria levar, para acompanhar o prato. Levei o Moulins de Citran 2006, um vinho de Bordeaux (AOC Haut-Médoc), que havia comprado havia já uns meses, no Sonoma.

28 de abril de 2019

Safrá 2015

Sejam tinajas, ânforas ou qvevris, o resgate da vinificação em vasilhames de barro tem inspirado produtores em diversos países, e criou um novo nicho no mundo do vinho.

14 de abril de 2019

A linhagem das Carmenets

Existem provavelmente mais de 10 mil variedades de uva vinífera (Vitis vinifera) no mundo. De acordo com a ampelografia - a área de conhecimento que estuda e classifica todas essas variedades - essa imensa diversidade que temos foi gerada a partir de cruzamentos entre variedades diferentes, ocorridos nos vinhedos, de forma natural, ou provocada pelo ser humano. Isso significa que as variedades que temos hoje possuem relação de parentesco - comprovados nas últimas décadas com testes de DNA - que permitem agrupamentos em 'famílias' (ou linhagens) de cultivares.

A Carmenet representa talvez a mais influente dessas linhagens, no mundo atual. Ela engloba, grosso modo, as variedades tintas bordalesas, incluindo as onipresentes Cabernet Sauvignon e Merlot, a primeira e segunda variedades mais cultivadas no mundo. Camernet é um nome histórico da Cabernet Franc, considerada o 'patriarca', o antecessor das outras variedades que compõem a 'família'.

A principal característica dos membros dessa linhagem é a capacidade de produzir metoxipirazinas, compostos aromáticos que remetem ao pimentão. Assim como a Cabernet Franc, todos os descendentes têm tendência a gerar esses aromas nos vinhos, alguns mais, outros menos.

8 de abril de 2019

PX Solera Fundación 1902

Montilla-Moriles é inevitavelmente associado a Jerez, afinal, também se localiza na Andaluzia, e produz os mesmos estilos de vinhos: Fino, Amontillado, Palo Cortado, Oloroso, PX, Pale Cream, etc, em sistemas de criaderas y solera. No entanto, Montilla-Moriles é uma denominação de origem distinta. Localizada a 160Km de Jerez em direção ao interior, apresenta um clima mais quente e mais árido, com menor influência marítima. Além disso, a variedade Pedro Ximénez é usada para produzir tanto vinhos doces, quanto os secos; e nesse clima árido, ela consegue atingir níveis muito altos de açúcar, de forma que os vinhos conseguem atingir naturalmente até 16% de teor alcoólico. Por isso, os estilos secos de Montilla-Moriles em geral não são fortificados.