28 de novembro de 2015

Merlot Sakar 1991 & 1992

Há dois anos, escrevi a respeito do Merlot Stambolovo 1991, da Bulgária. Um vinho de 22 anos (à época), produzido quando o país ainda enfrentava a transição entre o comunismo e o capitalismo. Nada de maquinário, todo o tratamento da vinha, até a colheita, era manual, pois o trabalho braçal na época era muito mais barato que máquinas. Ainda assim, era um vinhaço, para quem sabe apreciar a complexidade de um vinho evoluído. Eu adoro, e as oportunidades não são muitas, principalmente dentro de um limite financeiro que o meu orçamento suporta; por isso, aproveito quando encontro uma oportunidade dessas.

24 de novembro de 2015

Nossa confraria: #tapasyvinos

Às vezes nos esquecemos da variedade de vinhos que tem a Espanha. Com o massivo volume de Tempranillos, às vezes parece que vinho espanhol se resume a eles. Mas isso não é verdade. Tudo bem que a Tempranillo é muito importante no cenário vinícola espanhol, mas o país tem muito mais a oferecer: o clássico Cava, as mil facetas de Jerez, além de brancos, tintos e rosés feitos a partir de diversas outras uvas: Garnacha, Monastrell, Mencía, Moristel, Bobal, Cariñena, Albariño, Viura, Verdejo, Godello, Garnacha Blanca, dentre outras, sem contar o uso bem disseminado de variedades internacionais.

Com o intuito de explorarmos um pouco dessa diversidade, nossa confraria se reuniu em um encontro exclusivo de vinhos espanhóis, acompanhados de tapas e comidinhas. Entre as tapas, tínhamos azeitonas de diversos tipos, queijos, vários embutidos diferentes, pan con tomate, chorizo curado, castanhas, amendoins, e até barquinhas de beiju de tapioca, trazendo uma releitura brasileira para as tapas. Além desse monte de comidinhas, pra fechar com chave de ouro, ainda havia uma empanada de bacallao recheada sem dó, e devorada sem piedade.


Na seleção de vinhos, havia espumantes, Cava e não-Cava; um branco fresco de Rueda, terra da Verdejo; um clarete, um rosé 'quase branco', típico da Rioja; e um branco mais complexo da região de Bierzo, feito com uma variedade chamada Godello. Havia ainda três tintos, inclusive um com Tempranillo: um Rioja Gran Reserva. Mas para mostrar a diversidade, havia também um da região de Murcia, terra da Monastrell; e ainda um corte francês, com Cabernet, Merlot, Syrah e Petit Verdot. E para finalizar, ainda teve sobremesa, e não poderia faltar um vinho para acompanhar. E aproveitando o ensejo da Semana do Jerez, tínhamos um Jerez Cream.

21 de novembro de 2015

O "não-Cava"

Cava é o espumante da Espanha (se você acompanha o blog, já deve saber disso), mas a recíproca nem sempre é verdadeira. Isto é, nem todo espumante da Espanha é Cava. Sabe por quê?

19 de novembro de 2015

Airén, ilustre desconhecida

Você conhece a uva Airén? Já tomou um vinho feito dela? Pois saiba que ela é a variedade mais plantada da Espanha. E mais, há 25 anos atrás, era a mais plantada do mundo! [*] Hoje, perde para as famosas Cabernet Sauvignon e Merlot, mas segue à frente na Espanha da famosa Tempranillo. Mas como pode uma variedade tão desconhecida ter uma área de plantio tão vasta?

14 de novembro de 2015

Geografia dos vinhos da Bulgária

A Bulgária possui uma ligação com o vinho que data de 6000 anos. E nos anos 1980 chegou a ser o segundo maior produtor do mundo, atrás apenas da França. Mesmo assim, para nós os vinhos da Bulgária ainda são ilustres desconhecidos. Ou melhor, eram. Pois a Winelands tem importado uma grande variedade de rótulos do país, de diferentes produtores, diferentes regiões, e algumas variedades de uva completamente desconhecidas.

São vinhos de excelente custo-benefício, porque têm boa qualidade mas não são muito conhecidos em nenhum lugar do mundo. Por isso é possível encontrar ótimos vinhos com preços muito acessíveis. Mas como eles são pouco conhecidos, pode ser que algumas pessoas achem um pouco difícil escolher. Para ajudar a conhecer um pouco mais, elaborei este texto apresentando um pouco da geografia do país, explicando como ela define suas regiões vinícolas, e contando um pouco a respeito de algumas uvas muito interessantes que só existem por lá.

7 de novembro de 2015

Trufas e Orvieto: os tesouros da Umbria

É incrível como um vidrinho de trufas pode elevar a categoria de um almoço. Tudo bem, está longe de ser um item comum à nossa mesa, mas basta um vidrinho com duas trufinhas, um bocado de spaghetti, uma manteiguinha, umas folhas de sálvia, um vinhozinho e um queijo Pecorino Romano em lascas por cima, e temos um divino spaghetti al tartufo. Simples e fantástico.

4 de novembro de 2015

Jerez Cream Solera 1847, #sherryweek

Esta semana, de 02/11 a 08/11 é a Semana do Jerez. Para entrar no clima, trago a sugestão do Jerez Cream Solera 1847.

2 de novembro de 2015

Capril do Bosque e Bistrô, pra se esbaldar de queijo de cabra

O bistrô

Um fim de semana passado, eu e Thais fizemos um programa diferente. Fomos até Joanópolis, quase na divisa com Minas Gerais. O objetivo era conhecer o Capril do Bosque, e almoçar no bistrô local. Fiquei sabendo a respeito do lugar pelo Instagram da @liscereja (autora do blog Comer, Beber e Viajar) e fiquei babando nas fotos dos queijos e pratos.