14 de novembro de 2015

Geografia dos vinhos da Bulgária

A Bulgária possui uma ligação com o vinho que data de 6000 anos. E nos anos 1980 chegou a ser o segundo maior produtor do mundo, atrás apenas da França. Mesmo assim, para nós os vinhos da Bulgária ainda são ilustres desconhecidos. Ou melhor, eram. Pois a Winelands tem importado uma grande variedade de rótulos do país, de diferentes produtores, diferentes regiões, e algumas variedades de uva completamente desconhecidas.

São vinhos de excelente custo-benefício, porque têm boa qualidade mas não são muito conhecidos em nenhum lugar do mundo. Por isso é possível encontrar ótimos vinhos com preços muito acessíveis. Mas como eles são pouco conhecidos, pode ser que algumas pessoas achem um pouco difícil escolher. Para ajudar a conhecer um pouco mais, elaborei este texto apresentando um pouco da geografia do país, explicando como ela define suas regiões vinícolas, e contando um pouco a respeito de algumas uvas muito interessantes que só existem por lá.


Alguns números e fatos

Produção em 2014: 1,1 milhão de hectolitros
Ranking de produção: 18º
Área cutivada: 43 mil hectares [*]
Consumo per capita: 5L a 7L por ano [*]

Como disse na introdução, nos anos 1980, a Bulgária chegou a ser o segundo maior país produtor de vinhos do mundo. Isto foi resultado principalmente de dois fatores. Em primeiro lugar, do investimento da União Soviética, para torná-la o principal fornecedor de vinhos para o bloco comunista; e em segundo lugar, a decadência do bloco soviético nos anos 1980 levou a uma produção com altos rendimentos para exportar vinho de baixa qualidade para países capitalistas com o objetivo de arrecadar moeda forte. Mas com o fim do comunismo, a produção vinícola perdeu importância e entrou em decadência. Hoje, a Bulgária ocupa um discreto 18º lugar na lista de produtores, segundo dados da OIV para 2014 [*]. A indústria voltou a se recuperar apenas a partir do início deste século, com investimentos estrangeiros e apoio financeiro da União Européia.

O plano soviético de produção vinícola no país foi fortemente baseado no replantio de vinhedos, com substituição das variedades autóctones pelas internacionais, consagradas, como Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, etc. Algumas poucas variedades búlgaras ainda sobrevivem. 95% da produção é de uvas viníferas (os 5% restantes são de uvas para consumo in natura), sendo 63% de uvas tintas.

País de perfil exportador, exportando 55 milhões de litros de vinho anualmente (a metade da produção), sendo a Rússia o principal destino. Apesar de ser historicamente um país produtor, o consumo de álcool em geral, e de vinho em particular, na população é baixo para padrões europeus [*]. As estatísticas oficiais calculam um consumo entre 5L e 7L por pessoa, por ano. A margem de incerteza se deve à tradição de produção caseira, normalmente no interior, e não contabilizada. Apesar de ser uma tendência em queda, é estimada como sendo em torno de 15 a 25% do consumo nacional.

Mapa da Europa, com destaque para Bálcãs e Bulgária (trabalho próprio baseado em imagem do Commons Wikimedia)

Geografia

A Bulgária se localiza na Península Balcânica, e possui litoral no Mar Negro, a leste do país. Ela faz fronteira com a Romênia ao norte (fronteira definida pelo Rio Danúbio), com Sérvia e República da Macedônia a oeste, e com Grécia e Turquia ao sul. É um país pequeno, com uma área de aproximadamente 110 mil Km2, o que equivale a menos da metade do estado de São Paulo. No entanto, há uma série de cadeias montanhosas que definem sua geografia.

A principal cadeia montanhosa do país é a Cordilheira dos Bálcãs, que vem da Sérvia, segue de oeste a leste, e divide o país ao meio. Ao norte dela se estende um grande vale, até as margens do Rio Danúbio.

Ao sul dela, nos sub-Balcãs, está a cordilheira de Sredna Gora, que segue em paralelo com a primeira, porém é de menor altitude e menor comprimento. Entre as duas se forma o vale do Rio Tundzha. Este vale, no centro geográfico do país, é conhecido como Vale das Rosas, sendo o cultivo de rosas uma atividade com séculos de tradição. 85% da produção mundial de óleo de rosas vem deste vale [*][**].

No sudoeste, ao sul da capital Sófia, se localizam uma série de maciços e cordilheiras, que contém os pontos mais altos do país, com vários picos acima de 2000 metros de altitude. Estas cadeias espremem o Rio Struma, no extremo sudoeste, quase na fronteira com a República da Macedônia. O Struma nasce nessas cordilheiras, e corre em direção ao Mar Egeu (Mediterrâneo), atravessando o norte da Grécia.

A partir desta série de maciços, a Cordilheira Ródope se estende ao longo da fronteira com a Grécia, mas localizando-se na maior parte em território búlgaro. Quando mais a sudeste, menores são as altitudes (as áreas mais baixas estão a 320m sobre o nível do mar). Entre o Ródope e os sub-Bálcãs está a Trácia, que se estende pela planície do rio Maritsa, até as montanhas de Sakar.

Mapa topográfico. Trabalho próprio, e compartilhado no Commons Wikimedia

Regiões vinícolas

O país possui 5 regiões vinícolas, que são definidas pelos vales descritos acima e a costa do Mar Negro, sendo que o altiplano onde se localiza a capital, Sófia, e os maciços montanhosos próximos à fronteira com a Grécia, não possuem produção vinícola. Portanto, as regiões são:

Planícies do Danúbio (Dunavska Ravinia): região que abrange quase todo o norte do país, delimitado a sul pela Cordilheira dos Bálcãs, se estendendo até o Rio Danúbio. É uma longa faixa de quase 100Km de norte a sul, majoritariamente de planícies, com algumas colinas suaves no sul, já perto dos Bálcãs. Possui clima continental, com verões quentes, de muita insolação, pouca pluviosidade anual (próximo de 600mm, concentrada na primavera) e ventilação constante. As principais uvas cultivadas na região são a Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay e Gamza. Esta última é a variedade mais emblemática da região. Apesar de ser originária da Hungria, onde é chamada de Kadarka, ela se adaptou muito bem nas planícies do Danúbio. É uma variedade de maturação tardia (início de outubro), pele fina, sensível a fungos, e necessita de climas com pouca chuva e bastante vento para garantir frutos sãos. Seus vinhos são frutados, com taninos macios e boa acidez. A principal sub-região para a Gamza é Suhindol, a meio caminho entre o Danúbio e os Bálcãs.

Vale da Trácia (Thrakiiska Nizina): ao longo do rio Maritsa está o vale da Trácia. Como região vinícola, ela é delimitada pelos maciços montanhosos a oeste (onde nasce o rio Maritsa), pelo Ródope ao sul, pelos sub-bálcãs a norte e pela montanha de Sakar a leste. Seu clima é continental moderado, recebendo relativa influência do Mediterrâneo no leste, onde os Ródopes possuem menores altitudes. Possui chuvas distribuídas por todo o ano. Aqui também, Cabernet Sauvignon, Merlot e Chardonnay estão entre as mais plantadas, com destaque para a Merlot, que atinge níveis de excelência em Stambolovo e Sakar, duas sub-regiões com Controliran. Além delas, merece menção a Mavrud, uma variedade autóctone da Trácia, com cor intensa, boa acidez, taninos ligeiramente rústicos, e aromas de frutas negras e notas defumadas.

Vale do Struma (Jolianka Na Struma): este vale, espremido no extremo sudoeste, recebe influência Mediterrânea, que entra por entre os maciços rochosos pelo canal do rio Struma. Por isso é a região de invernos mais amenos, e médias de temperatura anuais mais altas do país. As estrelas da região são as duas variedades chamadas Melnik. A 'Melnik de folhas largas' é a mais tradicional. Tem potencial para vinhos tintos de qualidade, com boa intensidade aromática; e também é apta para produzir os melhores rosés do país, delicados e frescos, com cores pálidas e notas cítricas. Já a 'Melnik temporã' é um híbrido da primeira com outras variedades, tem pele mais grossa, e gera tintos mais intensos, de coloração intensa, e com potencial de envelhecimento.

Mar Negro ( Tschernomorski ): a região a leste do país tem o clima fortemente influenciado pelo Mar Negro, que ameniza os extremos de temperatura. O outono, período final da maturação das uvas, é longo e ameno, permitindo acumular grande concentração de açúcares. É especialmente adequada para vinhos brancos, secos e semi-secos, de Moscatel, Riesling, Gewürztraminer, entre outras.

Vale das Rosas (Dolina Rusa): este vale espremido nos sub-Bálcãs, no centro do país, possui altitudes que variam de 300 a 700m sobre o nível do mar. Tem clima com alta umidade, nublado durante a maior parte do ano, e chuvas concentradas na primavera (época da floração das rosas). Quanto a vinhos, possui uma produção pequena, concentrada mais a leste, com menores altitudes, com importância maior para vinhos brancos secos e semi-secos, de Moscatel, Chardonnay, Riesling, entre outras.

Regiões vinícolas da Bulgária

Classificação dos vinhos

A legislação atual da Bulgária é de 1999. Ela define 3 categorias:
  • Vinho de mesa: são os vinhos de mais baixa classificação. Não são de região específica, nem precisam ter as variedades de uvas especificadas.
  • Vinho de qualidade superior: são vinhos provenientes de regiões específicas, com rendimentos controlados. Dentro desta, há duas sub-categorias:
    • Vinho regional (regionalno vino): são vinhos de origem declarada (o nome da região deve constar no rótulo ou contra-rótulo). A União Européia só reconhece duas regiões: Planícies do Danúbio e Vale da Trácia.
    • Vinho de origem controlada (Controliran): são vinhos de origem declarada e controlada. Devem vir de uma região específica, ter uma variedade específica, e estão sujeitos a avaliação por uma comissão julgadora. É o equivalente à Denominação de Origem européia. Existem 27 Controlirans no país.
  • Vinho especial: vinhos espumantes e licorosos.

Vinhos de qualidade (vinhos regionais e Controliran) podem utilizar o termo Reserva se passarem por um período mínimo de estágio em carvalho. O período mínimo para brancos é de 2 anos, e tintos é de 3 anos. Não importa se é em barrica ou tonel, nem se é de primeiro uso, ou usado.

Do total de 110 milhões de litros produzidos anualmente, aproximadamente 40% é classificado como Vinho Regional, e apenas 2,5% é classificado como Controliran [*].


Espero que essas informações ajudem a entender um pouco mais os vinhos do país. Agora, resta prová-los. Siga o blog, e veja os comentários sobre os melhores vinhos da Bulgária que encontramos no mercado brasileiro.

Referências

USDA Foreign Agricultural Service: Report on Bulgaria Wine Trade Market
USDA Foreign Agricultural Service: Wine Annual Report and Statistics 2014
Organização Internacional da Vinha e do Vinho: http://www.oiv.int
European Alcohol Policy Alliance: http://www.eurocare.org/
BPG Ltd: The Rose Industry in the Bulgarian Rose Valley


2 comentários:

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.