21 de outubro de 2017

Cava e a possível independência da Catalunha

O mês de outubro viu uma escalada na tensão na Catalunha, devido às pretensões de independência almejada por boa parte de sua população. Começou com um referendo levado a cabo pelo governo local - apesar de considerado ilegal pela justiça do país - que deu vitória ao separatismo. Ao referendo se seguiram manifestações, conflitos civis, uma declaração de independência auto suspensa e grande incerteza econômica, culminando com os dois bancos que ainda tinham sede na Catalunha a migrarem para outras regiões da Espanha.

A situação dos espumantes espanhóis deve ser a menor das preocupações tanto para os separatistas catalães, quanto para o governo central, mas a possibilidade de independência da Catalunha traria uma situação curiosa para os Cavas.

17 de outubro de 2017

Produttori del Barbaresco 2006

No último texto, comentei a respeito de um Barolo, que representou a região em um painel de vinhos feitos de Nebbiolo, e conforme esperado, foi eleito o melhor da noite. Mas em um painel de Nebbiolos não poderia faltar um Barbaresco; e como era esperado, também fez bonito.

13 de outubro de 2017

Luigi Einaudi Barolo Terlo 2011

Este foi mais um dos vários grandes vinhos que tenho o privilégio de conhecer por participar de uma confraria de vinhos. O tema do encontro foi Nebbiolo, e com alguns exemplares inusitados vindos de fora da Itália. Mas não tem pra ninguém, a terra de excelência da Nebbiolo é realmente o Piemonte, e o maior de todos, o Barolo.

10 de outubro de 2017

Rosé de Malbec em versão francesa

Gosto dos rosés de Malbec argentinos: são uma boa opção quando se busca um rosé um pouco mais encorpado, sem aromas vegetais; e não costumam ter a deficiência na acidez que costumam ter os tintos. Mas como seria um rosé de Malbec francês? Ao ver um selecionado para o Vinhoclube Summer, fiquei empolgado, na expectativa de conhecer como seria a versão produzida na terra de origem da uva.

8 de outubro de 2017

Bacalhôa Moscatel Roxo 2002

Há três anos, tive a oportunidade de degustar o Moscatel Roxo 1998 da Bacalhôa, durante um curso de vinhos portugueses. Desta vez, eu pude tomar o vinho (e não apenas degustar), e apreciando-o mais profundamente. A garrafa me foi trazida sob encomenda por um amigo que visitou Portugal, e a compartilhei em um jantar. Tratava-se do Bacalhôa Moscatel Roxo 2002; 4 anos mais novo do que aquele do curso. Mas as impressões foram as mesmas.

3 de outubro de 2017

Covela Rosé no Gallo Nero

Depois da boa experiência com o ossobuco do Gallo Nero, Thais sugeriu o restaurante para um almoço de sábado. No almoço, eles servem o que chamam de "menu degustação", pequenas porções de diversos pratos, servidos um após o outro, e ao final, podemos repetir o que quisermos.

Após um couvert e uma salada também incluídos no preço, o cardápio daquele sábado continha: penne ao molho de gorgonzola; gnocchi recheado e gratinado, ao molho rosé; bisteca suína reduzida em seu molho acompanhado de canjiquinha com agrião; e cartoccio (papelote) de salmão acompanhado de legumes grelhados no azeite.

Como era sábado, resolvi pedir um vinho. Da outra vez, eu já tinha visto na carta do restaurante o Covela Rosé. Por isso, dessa vez nem olhei a carta. Confirmei se tinham, e com ele fui.