28 de dezembro de 2016

Château Beausoleil - Blanquette e Crémant de Limoux

Este ano, a Wine novamente optou por não fazer nenhuma campanha da onda Black Friday, mas fez um longo bota-fora de espumantes durante o mês de novembro, com algumas boas oportunidades para compor o estoque de final de ano. Entre o certo do Adolfo Lona, e espumantes que eu ainda não conhecia, a maior parte do meu estoque foi do primeiro (como comentei aqui), mas arrisquei umas poucas garrafas da promoção da Wine para conhecer alguns espumantes que tinham preços bem convidativos.

Dentre os rótulos que atraíram minha atenção estavam o Blanquette de Limoux Brut Reserve e o Crémant de Limoux Brut Reserve do Château Beausoleil. Esse Château é na realidade uma marca da Maison Salazar, uma empresa familiar da região de Limoux, que em 2012 passou ao controle do grupo Domaines Bonfils. Mas sendo sediada e totalmente localizada em Limoux, a Maison Salazar é dedicada às especialidades da região: o Crémant de Limoux e o Blanquette de Limoux.

21 de dezembro de 2016

Adolfo Lona Brut Nature Pas Dosé


Dentre os estilos de vinho, o espumante é o que tem mais sucesso no Brasil: tanto em qualidade dos produtos, quanto em aceitação do consumidor. É o que mais cresce em vendas, e já não é mais restrito ao brinde da virada do ano, acompanhando o consumidor brasileiro ao longo do calendário, da mesa à beira da piscina. Mas o espumante tem um apelo de festas, e portanto, o consumo aumenta nessa época.

17 de dezembro de 2016

Costasera Amarone Classico Riserva 2011

Este ano, escrevi bastante a respeito de Amarones e outros vinhos de Valpolicella. Entre degustações das minhas confrarias e vinhos tomados entre amigos, tomei de um bocado de vinhos da região. Achei pertinente documentar duas degustações que achei bastante educativas: uma intrínseca (comparação entre os quatro estilos da região); e outra extrínseca (uma avaliação de vinhos feitos ao estilo Amarone); assim como alguns dos vinhos mais dignos de nota (aqui).

Eu não escrevi a respeito de cada um dos vinhos que provei, ou me tornaria muito repetitivo. Mas eu não poderia terminar o ano sem registrar uma garrafa que um casal amigo trouxe da Itália e dividiu com a gente; e que certamente está entre os melhores vinhos que tomei no ano: o Costasera Amarone Classico Riserva 2011. Ele é produzido pela vinícola Masi - uma das mais conceituadas de Valpolicella.

12 de dezembro de 2016

Pasión de Bobal 2013

Em outubro passado, fui a uma degustação realizada na ABS Campinas, com vinhos da Vind'Ame. Esta pequena importadora começou às operações em 2015, prometendo trazer vinhos de pequenos produtores, que expressem seu terroir. Este ano, ela expandiu o portfólio, incluindo vinhos espanhóis, que figuraram na degustação.

Dentre os vinhos apresentados, gostei de dois. Um era um Tempranillo leve, sem grandes pretensões, bom para acompanhar uma pizza. Mas o que realmente me chamou a atenção foi o Pasión de Bobal 2013. Acho que foi a primeira vez que tomei um vinho 100% Bobal. Certamente, é a primeira vez que comento a respeito de um vinho dessa uva, aqui no blog.

4 de dezembro de 2016

Weegmüller Cuvee Fleur 2012

No final de outubro, escrevi a respeito do Der Elegante, um Riesling alemão que arrematei em um saldão por R$35 a garrafa (reveja). Pois na mesma ocasião, eu havia comprado um outro vinho, o Weegmüller Cuvee Fleur 2012.