3 de outubro de 2014

Principele R 2011


Hoje foi dia de tomar outro vinho romeno. Mas não um qualquer, e sim, um vinho de sangue nobre. O Principele R 2011 foi produzido pela Cramele Halewood (a mesma empresa que fez o Prahova Valley). Ela é fornecedora oficial dos vinhos da família real romena. Mais do que isto, de acordo com a empresa, este vinho foi produzido sob supervisão do Príncipe Radu, para ser o vinho oficial da Casa Real Romena. Foram produzidas apenas 4000 garrafas. E apesar da exclusividade (a safra de 2011 se esgotou no produtor), a Winelands trouxe algumas garrafas ao Brasil.

Ele representa bem a Romênia. Em primeiro lugar, é feito com a uva Fetească Neagră [*]. Esta variedade - cujo nome significa 'donzela negra' - apesar de ser nativa da Moldávia, praticamente desapareceu do país de origem, e se tornou um dos ícones da Romênia. Ela tem fama de gerar vinhos densos, de cor intensa e muito tanino.

Em segundo lugar, o vinho possui D.O.C. Dealu Mare. Esta área, cujo nome significa "grande colina", fica aos pés dos Cárpatos, com altitudes de 150m a 600m, em encostas voltadas ao sul. Ela se localiza na Muntenia. Região vinífera ao sul do país, e com relativa influência do Mar Negro, é considerada a mais propícia para vinhos tintos, entre eles, os produzidos com a Fetească Neagră. [*][**] A título de curiosidade, Dealu Mare é cortada pelo paralelo 45º, que também corta o Piemonte e Bordeaux.


Ele foi fermentado em barricas, seguido de 18 meses de amadurecimento em barricas novas de carvalho francês. Apresenta cor violácea, de muita intensidade, com muito corpo e taninos muito intensos, mesmo após 3 horas aerando no decanter. Os aromas predominantes são de frutas negras (cassis, mirtilo, cerejas negras) e chocolate amargo. É um vinho que se beneficiará muito de uns bons anos de guarda, e da companhia de uma carne bem suculenta, de preferência com um molho de sabor forte, como um goulash, beuf bourguignon, daube provençale, ou um guisado irlandês (feito com Guinness).

É um vinho de guarda. No entanto, há de se atentar para o formato da garrafa. Seu formato não usual - mais bojudo que o das garrafas da Borgonha - não cabe em uma prateleira regular da maioria das adegas climatizadas. No meu caso, tive que deixá-lo na gaveta dos espumantes.


Casa real romena?

A Romênia é uma monarquia? Eu achei estranha essa história de família real, Casa Real e Príncipe Radu. E curioso que sou, fui buscar informações a respeito.

O rei Michel 1 (Mihai 1, em romeno) foi deposto pelo regime comunista em 1947. Com a deposição do ditador Nicolae Ceaușescu, em 1990, o país estabeleceu um regime semi-presidencialista (um misto de presidencialismo com parlamentarismo). Apesar do fim do comunismo, o rei deposto só recebeu autorização de voltar a visitar o país a partir de 1997. Desde então, a família divide seu tempo entre a Suíça, onde morou no exílio, e a Romênia.

Enfim, Mihai continua vivo, mas nunca tomou posse novamente, e portanto, não tem nenhuma relação real com o governo. Ou seja, diferente da Inglaterra, onde a rainha tem um cargo oficial em que não governa, na Romênia, o 'rei' não tem nem mesmo um cargo oficial. Mesmo assim, a família age como se fosse realmente uma Família Real, e o genro Radu, foi proclamado príncipe e se intitula conselheiro do 'rei'. E de certa forma, até para os romenos isso parece confuso, já que o 'rei' goza de grande popularidade (e influência política), e é recebido como representante (extra-oficial) do país em convenções oficiais internacionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.