30 de janeiro de 2015

Terres de Saint-Louis 2013


Esta noite, a Thais fez um puré de batatas com abóbora junto de frango picado com vegetais (milho, tomate e palmito). De acordo com ela, a inspiração foi: "o que tem na geladeira". E com o que tinha, ela fez um banquete.

O puré levou 2 partes de batata para uma de abóbora, uma abóbora que ela tinha comprado porque estava muito bonita na feira, mas antes de planejar o que faria com ela. E no fim, ela foi parar neste puré inusitado, que foi o principal do prato. O frango e vegetais entraram de acompanhamento. Além de batata e abóbora, o puré levou um pouco de leite, queijo Minas, alho refogado, e sal a gosto.

Provavelmente alguém já deve ter feito um puré assim em algum lugar, mas a gente nunca tinha visto, e devo dizer que idéia excelente! Fica uma delícia, com o sabor da abóbora dando seu toque, e com consistência perfeita. A Thais já tinha feito um puré igual, esta semana, servido com um ragu de lingüiça de pernil. Mas na geladeira não tinha mais lingüiça, então ela preparou este frango, que foi refogado com alho, depois adicionado vinho branco, depois os vegetais, e finalmente o tomate pelado e amassado.


Rosé de Provence

Achei uma ótima oportunidade de tomar um rosé de Provence. Os que eu trouxe da minha viagem este ano, praticamente já acabaram, mas eu achei alguns exemplares diferentes no Super Nosso em BH, quando estive lá para as festas de fim de ano, e comprei algumas garrafas do Terres de Saint-Louis 2013, para provar.

Ele é produzido por uma cooperativa chamada Estandon des Vignerons, localizada no departamento do Var, e é portanto classificado como AOC Coteaux Varois en Provence. Esta região, de solo calcário, fica a uma centena de quilômetros do Mediterrâneo, mas é isolada da costa por uma cadeia de montanhas (em especial do Maciço dos Mouros), que reduz dramaticamente a influência marítima, e torna o clima temperado, com um verão de muita insolação e noites frescas. O clima é ideal para a maturação das uvas, e não é à toa que, ao andar pelas estradinhas locais do departamento, praticamente só víamos vinhedos dos dois lados a estrada. E não era raro colocarmos um agasalho à noite, e de manhã cedo, enquanto passeávamos por lá.

Voltando ao Terres de Saint-Louis 2013, ele tem cor rosada clara, com matizes alaranjadas, ficou até parecendo um vinho laranja na foto! Porém ele é mais rosado, quando visto ao vivo. É leve e fresco, como devem ser os vinhos de lá, com aroma marcado pelas notas cítricas, e sem as notas doces que muitas vezes aparecem em vinhos importados de lá.

Este Terres de Saint-Louis 2013 não chega a ser tão bom quanto os vinhos que eu trouxe na minha mala, mas está de bom tamanho. Afinal, custou apenas R$39,90, o que é um ótimo preço para estes vinhos, por aqui. E considerando outros vinhos de lá que provei por aqui, é mais barato e melhor do que a maioria. Com a noite quente que estava fazendo, quase que abrimos uma segunda garrafa.


Um comentário:

  1. O vinho é leve e frutado. Uma delícia no verão e a garrafa é sedutora.

    ResponderExcluir

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.