3 de novembro de 2013

Trôno Real Bruto 2009


Este espumante foi produzido pela Vinícola Castelar, na Bairrada. Foi feito com Bical, Maria Gomes, Arinto (30% cada) e Baga (10%), pelo método tradicional, apesar de o site do produtor não fornecer informação sobre quanto tempo passou em autólise. Mas eu acredito que não foi muito.

O que sei dizer é que este do ano de 2009 já estava bastante evoluído. A rolha quase que se expulsou sozinha, e imediatamente percebi como a base dela não se expandiu quase nada, mantendo-se praticamente com o formato do bico da garrafa. Isso elevou a minha expectativa, esperando encontrar o produto em seu ápice, briochée, o aroma de brioche amanteigado que só os melhores espumantes feitos pelo método tradicional podem chegar a exalar.
Mas não foi o que encontrei. Despejei o vinho na taça, e percebi que sua cor era amarelo-ouro. Isso era esperado. Também era esperado que a espuma não fosse mais tão intensa, como realmente ocorreu. O que eu não esperava era que ele tivesse perdido um bocado da acidez, e por isso, estava pesado, e com amargor além da conta. O aroma ainda era predominantemente frutado, lembrando pêssego em calda. No entanto, ele não demorou muito para se apagar.
Enfim, o espumante estava evoluído, mas creio que havia sido feito para se tomar jovem.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.