2 de maio de 2017

Inocente Jerez Fino

O Fino é em teoria o mais frágil dos tipos de Jerez, e a recomendação é que seja bebido em até um ano após engarrafado. Portanto, não é um tipo de vinho que se deva guardar. Mas, um pouco por estar cheio de outros vinhos, e um pouco por esperar o melhor momento para ele, acabei guardando uma garrafinha de 375mL por um ano e meio. E não foi na adega, já que esses vinhos vêm com aquelas tampas de plástico com cortiça, e portanto devem ser guardados de pé. Portanto, a meia-garrafa passou um ano e meio de pé, no meu armário de bebidas, sem nenhum controle de temperatura. E isso me permitiu chegar a uma conclusão: eles não são assim tão frágeis, já que, ao abri-lo, gozava de perfeitas condições.


O vinho em questão era o Inocente Fino Sherry, que comprei em promoção no final de 2015, direto do site da importadora Zahil. Este Jerez é produzido pela Bodega Valdespino, que hoje faz parte do grupo José Estevez, responsável pelo El Candado PX* e pelo Manzanilla La Guita*, entre outros. Apesar de fazer parte de um grande grupo, a Bodega Valdespino segue sem interferência em seu processo de produção - pelo qual é reconhecida e respeitada por quem entende de Jerez.

A primeira distinção é que as uvas de seu Fino provém de um único vinhedo, o Pago de Macharnudo Alto (lembram-se dos Pagos de Jerez? Se não, relembre aqui). Este Pago está localizado na zona mais alta dentro da Denominação de Origem, a 135 metros de altitude, e é famosa pelo seu solo de pura albariza (a terra branca, calcária, que dá origem aos melhores Jerez).

Além disso, é a única Bodega que hoje em dia segue fermentando o vinho em barris de carvalho (botas de 500 litros de carvalho americano). E para completar, ele envelhece em um sistema com 10 criaderas, resultando em um dos finos mais velhos disponíveis no mercado, com idade média de 8 anos.

O vinho tinha cor amarelo-palha de baixa intensidade, um pouco mais intensa que outros Finos que conheço. O nariz é dominado pela 'flor', com aromas entre o fermento fresco e a maçã vermelha madura, complementado por um toque sutil de baunilha, provavelmente devido à fermentação em barris de carvalho. Na boca é um típico Fino, com bom volume causado pelo alto teor alcoólico, acidez média/baixa, leve salinidade, aromas da flor dominando o palato, e longo final.

Um Fino um pouco diferente da média, Adoraria comprar outra garrafinha dessas, mas pelo preço com que é vendido pela Zahil, fica fora de cogitação. Vou esperar que façam outra promoção de Jerez em novembro desse ano; daí, vou comprar até mais de uma!

Mapa destacando os Pagos de Macharnudo (o deste texto) e o de Balbaína (do texto anterior).
Fonte: Scribble maps.

Leituras complementares

Pesquisando a respeito do vinho, da bodega, e da Pago Macharnudo, encontrei 3 textos que recomendo:

Além disso, deixo os links para dois interessantes mapas destacando os Pagos de Jerez. O primeiro, foi um mapa das parcelas de Jerez, desenhado em 1904. O segundo, um mapa interativo, produzido este ano, mostrando os pagos ainda existentes.

E por fim, para conhecer tudo sobre Jerez, não deixe de ler Dos vinhos de Jerez.

Um comentário:

  1. Um dos desejos de consumo, parece ser um vinho incrível!

    ResponderExcluir

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.