30 de dezembro de 2018

O bolo de frutas

No recente curso de vinhos WSET 2 que fiz no fim deste ano, o material diversas vezes fazia referência a vinhos com aroma de bolo de frutas. Como assim? De que frutas? Afinal, bolo de banana e bolo de laranja têm aromas e sabores muito distintos. Mas o bolo em questão não é de banana, nem de laranja, é um bolo muito tradicional da Inglaterra, normalmente preparado para o natal. Como o material do curso é preparado na Inglaterra, este é um sabor bastante familiar para eles; mas aqui, pouca gente conhece o bolo, e por isso vale a pena descrevê-lo.


Para começar, as frutas do bolo na realidade se referem a frutas secas, como ameixas, damasco, uvas, cranberry, podendo também incluir frutas cristalizadas e castanhas, como nozes, amêndoas e avelãs. No preparo, essas frutas são reidratadas em alguma bebida, como rum, brandy, whisky ou Jerez. Além das frutas, e muito álcool, o preparo leva açúcar mascavo, casca de laranja, especiarias (como noz moscada, gengibre, canela, cravo), e claro, os ingredientes da massa: pequenas quantidades de ovos, manteiga e farinha. Na cultura popular inglesa, esses bolos duram para sempre, se forem regularmente rebatizados com mais álcool. Há relatos na Internet, de bolos que são consumidos 10, 20 anos após o preparo [*]!

No que se refere aos aromas, o bolo exala brandy, além de frutas secas diversas, castanhas, especiarias, açúcar mascavo. O vinho com esses aromas seria um tinto de clima quente, em que as uvas ficam sobremaduras no pé, dando uma impressão de fruta cozida. Além disso, deve ter passado por um longo estágio em barricas, onde além de obter aromas de especiarias da madeira, começa a desenvolver aromas terciários (melaço, frutas secas, castanhas), devido ao longo tempo de micro-oxigenação.

Por uma coincidência do destino, pouco antes do curso, a Thais achou uma receita que lhe tocou o saudosismo do período em que passou na Irlanda, e resolveu prepará-la para o natal. Para hidratar as frutas, ela usou uma mistura de brandy com chá preto, conforme sugerido pela receita. Utilizamos, para isso, o Brandy de Jerez Fundador, encontrado facilmente em supermercados. O bolo foi feito no início de novembro, e ficamos regando o bolo com mais brandy, até o natal.

Em termos de harmonização, o bolo vai bem com... chá; bolo e chá, não tem como dar errado. Ainda mais se for um Earl Grey, tradicional chá inglês, aromatizado com óleo de bergamota. Há quem consuma o bolo acompanhado da mesma bebida usada para regá-lo; mas no caso do brandy, acho que vai mais pela farra do que realmente por uma harmonização certeira. Mais interessante, creio que seja um vinho doce de características oxidativas, como um Porto 20 Anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.