3 de julho de 2016

Ixsir Altitudes Red 2010

Na Nossa Confraria Enogastronômica, temos um confrade antenado, caçador de grandes promoções e pechinchas. É o mesmo dos "velhinhos". Mas dessa vez, ele encontrou um vinho muito bom, o Ixsir Altitudes Red 2010 sendo vendido no supermercado perto de sua casa, por meros R$49,00.


Este é o vinho de entrada da vinícola Ixsir, do Líbano. É composto de Cabernet Sauvignon, Syrah, Tempranillo, e Caladoc. As três primeiras variedades são bem conhecidas, mas a Caladoc merece uma apresentação. Ela é resultante de um cruzamento entre Malbec e Grenache, feita em laboratório, em 1958. É pouco difundida, podendo ser encontrada no sul da França, nas regiões do Roussillon e Provence (e, claro, no Líbano). A ficha técnica do produtor não menciona estágio em barrica, o que dá a entender que não tem (mas é bem possível que tenham usado traves de madeira no tanque de inox, para dar uma temperada).

Acontece que este vinho é importado pela Grand Cru, que o vende por R$143, no site, ou nas lojas. Uma disparidade de preço que me deixa perplexo. Como pode um distribuidor vender o vinho por um terço do preço que vende a importadora? Que margem é essa que põe a importadora?!?

Nosso confrade aproveitou a pechincha, e trouxe duas garrafas em nosso último encontro, para harmonizar com o prato principal: uma moussaká, um prato típico da Grécia e Turquia, composto de carne moída e berinjela grelhada, que se alternam em camadas, e coberta com molho branco e queijo para gratinar.

O vinho, que tem 6 anos, não apresenta nenhum sinal de idade: cor rubi, aroma de frutas negras, especiarias e um tostado discreto (aroma que me leva a crer que ele teve contato com madeira, nem que sejam traves mergulhadas no tanque). Na boca, bom corpo, álcool discreto, acidez equilibrada, e taninos ligeiramente proeminentes. Fazia frio no dia, creio que isso deixou o aroma mais tímido, por outro lado, deixou o álcool mais discreto. Penso isso porque já havia provado o vinho antes, em degustação na Grand Cru, e me lembrava dele mais aromático, e mais pesado, também. Não reclamo, acho até que estava melhor agora, dessa última vez. Além disso, foi muito bem com a moussaká, tanto pelo corpo, quanto pelos aromas de especiarias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sintam-se livres para comentar, criticar, ou fazer perguntas. É possível comentar anonimamente, com perfil do Google, ou com qualquer uma das formas disponíveis abaixo. Caso prefiram, podem enviar uma mensagem privada para sobrevinhoseafins@gmail.com.